JOHNNY WINTER: THE THINGS THAT I USED TO DO (2010)

Johnny Winter: The things that I used to do

Arranjos agitados & imaculadas intervenções em quarteto

por: Mário Pazcheco


Ferrock – Ceilândia-Brasília-DF
Sábado, 15 de maio de 2010

johnny   Johnny Winter: guitarras, slide e vocais; Vito Liuzzi, bateria; Paul Nelson, guitarra e Scott Spray, contrabaixo.
Vários amigos de décadas e fanáticos por blues e pelo guitarrista Johnny Winter,  se reencontraram nesta noite inesquecível quando o blues brilhou.

   Aos 66 anos, Johnny Winter é um misto de guitarrista com uma pegada de Guitar Slim e há algum tempo ele toca sentado numa cadeira como John Lee Hooker, seu toque é brutal e delicado lembra Albert King.

   O primeiro disco de Johnny Winter, “School Days” saiu independente em 1959 e somente uma década depois ele conseguiu assinar com uma grande gravadora recebendo o maior adiantamento já pago a um artista. Passou pelos selos Blue Sky, Columbia, GRT, Imperial, Janus, United Artists, Alligator, Back Track, Overseas Records, Crazy Cajun – e gravou discos com seus ídolos Muddy Waters e Sonny Terry agora ele está na Virgin.

   Tatuadamente esquálido e de chápeu, Johnny Winter lembra um velho fazendeiro do pantanal mato-grossense, dono de uma fazenda de búfalos, seu jeito caipira também lembra Helena Meirelles. Aquela imagem do anjo loiro vestindo terno de lamê ficou no passado.

   Sua entrada no palco é mágica, a multidão incrédula demora a acreditar que o homem está ali...

   No palco, Johnny Winter está um pouco mais lento e desorientado pode ser a postura ou a qualidade som que o fez errar os arranques, a banda como trio no início da apresentação também errou...

   A conhecida abertura de Hideaway proporciona velocidade nos sustains arrepiantes, como num tributo aos Blues Breakers, eles emendam All your Love, a dedeira no polegar direito dedilha   precisamente e os dedos traçam escalas desconcertantes.

   Johnny Winter após tantos anos de devoção  se tornou uma entidade blues, o corpo pode estar trêmulo e as veias estouradas   mas a voz ainda é quente e ele rosna “Sweet sweet rock’n’roll...”., enquanto toma generosos goles d'água.

   Ele  convida a platéia a curtir e emenda uma sequência de boogies,  a graça do embalo e o volume dos crescendos de uma guitarra shark negra de timbre metálico põe garotas novinhas para dançar e marmanjos exibicionistas fazem coreografias bizarras.

   A banda que o acompanha é o alicerce de um show mais pessoal, Paul Nelson o segundo guitarrista conhece o braço do instrumento e se reveza com o contrabaixo fazendo as células rítmicas e os desenhos de pica-pau, enquanto o contrabaixo de Scott Spray comanda o andamento e o início e o fim das canções, já a bateria de Vito Liuzzi é alta e  marcadamente vibrante marchando nestes clássicos do rock’n’roll como Roll with me e Bony Moronie cantadas em coro.

   Caprichosamente em Red House (clássico de Hendrix) impiedosamente Johnny winter erra o início, dá uma tradicional 'catada'.

   Com a tradicional guitarra Gibson Firebird, ele termina sua apresentação com It’s all over now dos Stones.  Não há mais aquele grande meddley de rock'n'roll  e Johnny Winter não faz mais acrobacias com a guitarra ao final dos shows, célere em câmera lenta ele abandona a cadeira. Antes em português pediu aplausos à banda.

   No camarim, a van o espera para levar ao hotel cruzando aquele mar de sinais verdes ou vermelhos, sem tempo para um autógrafo ou uma foto. Felipe CDC ainda ao microfone lembra como foi mágica a apresentação de Mr. Winter.

   “A heroína é amiga de ninguém...” (frase de Vladimir)

   Ainda nos anos 70, Johnny Winter experimentou ‘comebacks’ da sua descida ao inferno do hábito da heroína que o nocateou e o tirou do pico do sucesso.

   Repentinamente, Johnny Winter e seus maníacos do rock’n’roll eram estrelas atravessando meses a fio pelos Estados Unidos e Europa. E, rapidamente a pressão aproximou-se deles com uma grande nuvem branca de heroína. Depois de um álbum ao vivo a banda se separou.


“Finalmente eu saquei que era um viciado”. “E me toquei que o único jeito de parar era me trancando sem ter nenhum contato com outros viciados”.

Johnny Winter inscreveu-se num programa para tratamento de drogados durante um ano e em 1974 estava de volta.

Décadas depois a história repetiu-se envolvendo exploração empresarial (seu antigo técnico de estúdio e agora empresário desviou sua grana) e o vício em antidepressivos e metadona, novamente o levaram à lona.

No semblante, de Johnny Winter ‘7 Vidas’ fica claro o preço pago por anos de vício no blues!

Últimos Lances

Reinaldo e Mariana, da Berlin Discos, juntos na grade,  ainda não acreditam como Johnny Winter conseguiu terminar a apresentação...
No final do show, alguém da plateia jogou uma bandeira do Brasil no palco.


jwandjimi
Jimi Hendrix & Johnny Winter anonimamente canjam no The Scene em NYC;
Hendrix com outros guitarristas costumava tocar   contrabaixo
Foto: Johnny Winter Net

“Eu era uma tiéte de Hendrix, e ele era uma tiéte de Johnny Winter. Eu o amava, e nós tivemos chance de sair juntos, conversar e gravar juntos. Uma das coisas que o pessoal do estúdio estava interessado em lançar era uma velha canção de Guitar Slim, chamada The things that I used to do. Eu tocava slide e Jimi fazia a base e cantava: era só por curtição, mas isso era muito melhor do que as coisas que saíram depois que ele morreu”. (Johnny Winter)

Articles View Hits
7069008

We have 374 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro