RICK PARFITT GUITARRISTA DA BANDA STATUS QUO, MORRE AOS 68 ANOS

rickparfitt 1

Rick and Lyndsay married in 2006 and had eight-year-old twins Tommy and Lily


THERE UNTIL THE END

Rick Parfitt’s wife who he dumped months ago stayed by his side until his death
Lyndsay Parfitt and husband Rick were still close
BY EMMA LAKE - https://www.thesun.co.uk/news/2477670/rick-parfitts-wife-who-he-dumped-months-ago-stayed-by-his-side-until-his-death/

26 dez. / 2016 - ROCKER Rick Parfitt’s wife stayed by his side to the end, caring for him through his illness, despite having been dumped by the Stats Quo star months before.

Lyndsay Parfitt and husband Rick were still close and she had arranged his hospital visit.

He died in hospital in Spain on Friday from a severe infection following complications to a shoulder injury.

The music legend had made plans to write his autobiography and a new solo record just months before his death aged 68.

He was desperate to put pen to paper and reveal untold stories about his days in Status Quo, which are now unlikely to see the light of day.

Meanwhile, he had also asked Status Quo ­producer Pip Williams to produce his debut solo album.

While bandmate Francis Rossi has yet to comment, Rick’s son Rick Jr tweeted: “I cannot describe the sadness I feel. To many he was a rock tar, to me he was simply ‘Dad’, and I loved him hugely. RIP Pappa Parf.”


And Queen guitarist Brian May added: “Shocked and so sad to hear of the passing of Rick Parfitt. Hard to find words, You truly joyfully rocked our world. RIP dear buddy.”

 

Guitarrista da banda Status Quo, Rick Parfitt morre aos 68 anos
Músico britânico morreu na Espanha devido a uma infecção

POR REUTERS 

BRITAIN-MUSIC PARFITT-G8H325RRH.1

Rick Parfitt (à esquerda) com o vocalista Francis Rossi durante apresentação do Status Quo em 2009 - Luke MacGregor / REUTERS

24 dez. / 2016 - LONDRES - O guitarrista da banda britânica Status Quo, Rick Parfitt, morreu em hospital na Espanha neste sábado, aos 68 anos, após contrair uma infecção grave, divulgou seu empresário.

"Estamos verdadeiramente devastados por ter que anunciar que o guitarrista Rick Parfitt da Status Quo faleceu", disseram a família do músico e Simon Porter, empresário do Status Quo, em comunicado conjunto.

"Ele morreu em um hospital em Marbella, Espanha, como resultado de uma infecção grave, tendo sido internado no hospital na noite de quinta-feira após complicações em uma lesão no ombro sofrida em queda anterior", disse a família.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/musica/guitarrista-da-banda-status-quo-rick-parfitt-morre-aos-68-anos-20691872#ixzz4Tw3hSutK
© 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

 

Arquivos Do Próprio Bol$o

Queremos "Status"  
por Cláudia "Lennon"

(OU: Será que ninguém no Brasil gosta de "status"?)

1982 passou inteiro sem que visse uma nota sequer a respeito. Enquanto lá fora, como sempre aliás, se escrevia páginas e páginas e matérias especiais e mil ti ti tis sobre o assunto, aqui dentro nada se fez ouvir ou noticiar à respeito dos 20 anos do STATUS QUO, um dos melhores grupos de Rock que já pintaram.

Pra quem não sabe, o STATUS QUO é um conjunto de Rock inglês, surgido em 1962, que se chamou primeiramente The Spectres (Os Fantasmas) tendo em sua formação Francis Rossi (Guitarras e vocais), Alan Lancaster (Baixo), John Coghlan (batera), e Roy Lines (teclados); após a entrada de Richard "Rick" Parfitt (vocais), o grupo mudou de nome e se tornou The Traffic Jam (Congestão de trânsito); mas acontece que na época havia o conjunto de Steve Winwod, também chamado Traffic, e em 1967 eles mudaram definitivamente para Status Quo. Explodiram com os sucessos "Picture Of Matchstick Man", "Accident Prone" e "Ice In The Sun". A venda do grupo com a imagem-comercial-do-Flower-Power quase os levou à dissolução. Após uma profunda depressão entre 1969 e 1972, conseguiu armar um comeback cheio de êxito com o seu já consagrado Rock'n'Roll descomplicado, embora cheio de força e energia, e dinâmico. Compactos: "Roll Over Lay Down", "Rain"; LPs Piledriver, Rockin' All Over The World. No lugar de Roy Lines que saiu em 1970, está Andy Bown (ex-Pink Floyd) em concertos ao vivo desde 1977.

Status(?) para o Status 
(Cláudia "Lennon"*)

O Príncipe Charles é fanzoco do Status QUO!!!

O que a maioria das estrelas do Rock só pode ter em sonhos, foi o Satus Quo quem conseguiu há pouco tempo: um membro da família real como fã e em pessoa! Num concerto beneficiente para 11.000 pessoas, sentou-se o Príncipe Charles em meio ao público. Depois de assistir ao seu primeiro concerto de Rock ao vivo, ele foi se encontrar com os integrantes do Status Quo atrás do palco. Um fabuloso presente de aniversário para o Status Quo, que comemora em 1982 o seu vigésimo aniversário de formação do grupo e que por isso batizaram seu novo disco também de 1982. (Pop Rocky/Melody Maker - Pop alemã nº13 - 1982).

(Nota da tradutora/redatora: será mesmo que "O sonho" da maioria das estrelas ou mesmo das não estrelas do ROCK é ter como fã o Príncipe Charles ou qualquer outro membro da família (irc) real???????????)

Fev./1982. STATUS QUO anuncia seu novo baterista, Pete Kircher e com ele comemoram nesse ano 20 anos de rock.

Abr. No início de abril, lançaram seu álbum 1982, e seu carro-chefe foi "Dear John" (que, surpreendentemente, felizmente, chegou até (?!) a tocar em certas rádios brasileiras na época) feita em homenagem a John Lennon. Pra quem ainda não percebeu, preste atenção, 1982 significa também, 1+9+8+2 = 20 anos.

Gostaria realmente de saber se nesse nosso alegre e desvairado Brazzzil existe algum fã-clube e/ou algum rockeiro que seja Status Quomaníaco, se alguém souber, me avise já.

 (Originalmente publicado no Jornal do Rock, nº6 - mai/jun./1983 - Cláudia "Lennon" - Rio de Janeiro - Yellow Submarine Cortesia*)

 

Notas que alimentaram o inconsciente coletivo

Russos vão curtir o Quo
O rock-pauleira vai atravessar a cortina de Ferro. A proeza é do grupo inglês Status Quo que foi convidado pelo empresário russo Vladimir Rishkov para tocar em Leningrado no fim do ano. O Quo foi o conjunto escolhido porque seu compacto "Piledriver" já conseguiu vender, só em Leningrado, mais de 30 000 cópias. O empresário Rishkov diz que os shows do grupo terão "caráter cultural". (Revista Pop, nov. / 1974).

Pergunte ao guru: Homens do Status 
(Revista Pop)

Guruzão: quero saber o nome e a cidade de nascimento de cada um dos caras do Status Quo. Pode ser? Fernando Nardi - São Paulo, SP.

Tá aí, Fernando: o guitarrista Richard Parfitt nasceu em Woking; Mike Rossi, também guitarrista, em Forest Hill; o baixista Alan Lancaster, em Beckenham, e o batera, John Coghlan, em Walthamstow. Isso tudo é na Inglaterra, viu?

"Ao vivo, o Status Quo tem um dos espetáculos mais impressionantes que já se viu no rock. O guitarrista Mike Rossi faz uma verdadeira ginástica no palco, servindo de ligação entre os músicos mexendo com o público, aumentando o volume do amplificador do baixista Alan Lancaster sem ele saber... enfim, criando um clima de loucura e muita alegria, pra todo mundo dançar" (Revista Pop, 1976).

"Mike Rossi, o líder do Satus Quo, é sempre o último a entrar no palco. O resto do grupo fica mais de cinco minutos esquentando o público, preparando o clima para a guitarra demolidora de Rossi". (Revista Pop).

Status Quo comemora 15 anos de pauleira

O Status Quo foi fundado em 1962 por Alan Lancaster e Francis Rossi, companheiros de quarto na Sedgehill School, uma escola londrina. "Naquela época, descobrimos que a guitarra elétrica seria a maior fonte de energia do rock. Para amenizar a rotina da vida escolar, resolvemos criar um grupo que usasse justamente a guitarra para criar o clima das nossas músicas". Jornal Hit Parade/Revista Pop, 1977.

"um sucesso fácil e seguro, produzindo LPs extremamente cansativos que levaram a crítica inglesa a chamá-lo de o pior conjunto do mundo" (Jornal de Brasília, 1979).

"Pensar que vai levar algumas décadas para que sejam lançados aqui os discos do misterioso Joy Division, que, em sua curta existência, derrubou de vez o já ouvido" (José Augusto Lemos in Antônio Carlos e Jocafi ao quadrado do rock bretão in Somtrês, nov. 1981 in crítica do LP Never Too Late).

"Sintomaticamente, duas faixas desta bolacha levam os nomes de 'I Love Rock And Roll e 'Resurrection' - quem acreditar na primeira afirmação, contribuirá para a segunda". (André Mauro in Música in crítica do LP 1982).


1982. No Marquee Club, o quarteto BRAIN (Brazil/Spain) tomava canecas de chopp em companhia do ex-baterista do Status Quo; John Coghlan que falava do seu novo projeto o DIESEL formado com o guitarrista Micky Moody (ex-Whitesnake) ambas lançaram disco?

"As más línguas dizem que para se tocar na banda Diesel basta estar livre e saber tocar 'Johnny B. Good' de Chuck Berry" (Leopoldo Rey & Gilles Philippe in Livro Negro Do Rock, o dicionário do Heavy Metal 1º Volume - Editora Três)

"A fórmula, que já estava esgotada, não tem mais como ser mantida, fazendo um fim de carreira que certamente será pouco lamentado" (Paulo Pestana O último grito do Status Quo crítica do LP Back To Back" in Correio Braziliense, 4 jul. / 1984)

  

 "Apesar de estar vendendo bem, o último single do Status Quo - 'Fun Fun Fun', gravado com os Beach Boys - sofreu preconceito do diretor de programação da Rádio BBC. Resultado? Os caras estão processando a emissora em 250 mil libras!". (International Magazine nº24 - 1996).

 

Status Quo por Gustavo Menoncin Pereira e Fernando Vieira - Whiplash

Trecho

"Bobby Geldof conseguiu reunir a banda de novo, em 1985 para tocar no Live Aid o que eles fizeram com grande alegria. A recepção à banda foi magnífica, e a volta era inevitável... Contudo, Rossi e Lancaster não concordavam com mais nada, musicalmente falando. Parfitt tomou o partido de Rossi e Alan saiu da banda. O novo Quo incluia 2 novos membros, Jeff Rich na bateria e John Rhyno Edwards no baixo; e produziu cada vez mais músicas leves ao invés do estilo pesado dos anos 70. Apesar disto, In The Army Now e Ain't Complaining foram muito bem recebidos e tiveram boa venda, mas Perfect Remedy foi um fracasso. (...)

"Em 1991 Rossi produziu um grande álbum, que lembra, e muito, o Quo dos bons tempos, Rock Till You Drop, que comemorou 25 anos da amizade de Rossi e Parfitt . Seguiram-se mais alguns albuns na década de 90, inclusive um excelente ao vivo Live Alive Quo (1992). Em 1996, Don´t Stop celebrou os 30 anos de Rossi e Parfitt e da banda. (...)

"Em 1999 saiu o álbum Under The Influence, 26º de uma carreira de 31 anos. A formação da banda continua a mesma desde 1986, com Francis Rossi e Rick Parfitt à frente. O álbum foi muito bem recebido pelos fãs. A turnê se iniciou com 34 shows realizados em pubs, com no máximo 200 pessoas permitidas para a audiência; agora, o Quo parte para os grandes shows, em festivais e próprios, que sempre culminam com o mês de dezembro onde tocam o mês todo na Inglaterra.

Fã Clube Brasileiro

Status no saldão! Status Quo For Sale!
Em 1976 no Brasil, o primeiro material gravado pelo Status Quo na PYE Records era compilado em dois LPs The Best Of Status Quo capa creme com o clássico bordão de "In My Chair" e The Rest Of Status Quo um segundo volume mais raro, ambos lançado pela Chantecler; já a Vertigo lançava os novos: ambiguidades do mercado fonográfico nacional: a desgastada rotina de aproveitar o lançamento de um novo álbum para reeditar velhacarias e levantar um troco.
No Guará, "In My Chair" ganhou uma versão Louco Até Os Ossos que era tocada pelos Magrellos, futuro Extremo. Statusquomaníacos mesmos eram Luis "Punk", Zé Kuspi e Fernando. No Antiquário Fortaleza, certa feita vi uma edição francesa do LP Piledriver, cuja capa-dupla-branca era uma pérola, não o comprei porque o vinil não estava tão conservado, mal pisquei os olhos e, Fernando o comprou. Só então, nas suas mãos vi, o valor gráfico da capa, era tarde. O primeiro LP dos Status Quo que eu ouvi foi Blue For You. Que pertencia a Pedro Veras e era ouvido por toda a "UVA", as primeiras tentativas de tirar canções partiam destes discos. A volta do Status Quo em 1979, com o LP Whatever You Want com seu toque new wave foi saudada, um ano mais tarde, com várias audições da balada "Living On An Island". O lançamento de Whatever You Want coincidia com o relançamento de vários álbuns recentes do grupo pelo selo Vertigo, à preços módicos nas discotecas e entramos os oitenta ouvindo muito Status Quo.
Em 1983 lançaram uma caixa com todos os disco do Status Quo. Seis anos depois, a Young recuperou as velhas matrizes dos primeiros anos das bandas Traffic Jam e The Spectres está era a ordem de chamada no LP Quo-tations Vol.1 repertório? Os três primeiros compactos simples do The Spectres e o compacto simples do Traffic Jam pelo preço de 1 LP!
Na mesma década de noventa, no território digital importado, a série da Vertigo, "Back 2 Back! for 1" trazia dois álbuns por CD (a exemplo de Quo & Blue For You), foi sucesso de vendas. Uma outra coletânea importada Status Quo B-sides & Rarities resgatava o material gravado na PYE e lançado anteriormente em vinil aqui em 1976.

Um lote de discos... vinte anos atrás...
A sorte grande é comprar discos em algum sebo dias antes da sua inauguração ou quando um antigo colecionador abre o bolo para negociar seus LPs, isto ocorreu comigo: no Sebo Do Disco aberto há alguns anos e visitado diariamente por mim, encontrei um lote inesquecível de discos importados, algum filho de diplomata ou estudante voltando da Europa deixou um pacote de discos sensacionais lá. Nesta ocasião comprei: The Who Live At Leeds! com um ingresso original de show da Arena de Wembley/1975 colado na capa, um Status Quo On The Level inglês com a capa-dupla, um earlier Jimmy Page com Sonny Boy Williamson (com foto na capa tirada do filme The Song Remains The Same), um Tarkus inglês capa-dupla-maravilhosa do Emerson, Lake and Palmer, um Sabbath Bloody Sabbath inglês, edição capa-dupla-independente com um ingresso original de show colado no canto, um encarte em papel vegetal e dentro da capa-dupla uma foto espectral dos integrantes do Sabbath sem camisa dançado uma missa negra e também o Rush, All The World's A Stage álbum-duplo-ao vivo-canadense c/ capa-tripla! Os LPs do Black Sabbath e Rush foram trocados pela coleção de Emerson, Lake and Palmer do Edinho, os demais ainda me acompanham...

 

 

 

RAUL SEIXAS: DESCENDENTE DIRETO DE ELVIS PRESLEY

Disco que capta momento turbulento de Raul Seixas é lançado em vinil

Isso Aqui Não É Woodstock foi registrado em 1981 durante show no Festival de Águas Claras  

Foto: Divulgação

vinil-raul-seixas-768x588

Lançamento sai em capa dupla e com vinil de 180 gramas


4 nov. / 2016 - Um novo disco de vinil de Raul Seixas chega às lojas este ano, após 27 anos da morte do roqueiro baiano. O lançamento, cujo repertório já foi disponibilizado em CD em 2014, é uma parceria entre os selos Record Collector Brasil e 180 Selo Fonográfico, e leva o “pequeno” título Isso Aqui Não É Woodstock, Mas Um Dia Pode Ser: Ao Vivo no 2º Festival de Águas Claras, 1981.

O LP equivale ao registro de um show inédito, que foi gravado originalmente em fitas, com som captado diretamente da mesa de som da apresentação que batiza o trabalho. As fitas originais pertenciam a Sylvio Passos, presidente vitalício do Raul Rock Club, o principal fã clube de Raul Seixas. O áudio foi restaurado e remasterizado para a prensagem inédita em vinil. O disco será disponibilizado a partir do dia 21 de novembro e já pode ser adquirido em pré-venda nos sites dos selos responsáveis pelo lançamento.

Isso Aqui Não É Woodstock será apresentado em vinil 180 gramas, em uma edição limitada de somente mil exemplares, divididos em duas versões. A de vinil transparente equivale aos LPs numerados de um a 300, e a versão em vinil preto vai dos números 301 até 1.000. O lançamento é o primeiro de uma série de coleção de LPs que está sendo programada para breve, a partir de material coletado por Passos e disponibilizado por suas herdeiras. Para 2017, estão programados os lançamentos dos álbuns Eu Não Sou Hippie, que remete a gravação de 1974 e será apresentada de forma inédita em vinil, e Metrô Linha 743, de 1984, cujo LP terá uma faixa bônus inédita.

Isso Aqui Não É Woodstock dá continuidade a discografia em vinil de Raul Seixas, cujo último LP lançado foi Se O Rádio Não Toca, em 1994. O show no Festival de Águas Claras em 1981 fez parte da turnê do álbum Abre-te Sésamo, de 1980, que é considerado um dos melhores da sua carreira. O vinil revela os palavrões ditos por Raul durante a performance ao vivo, a improvisação de versos novos, e também sua revolta anárquica. “Eu sempre desejei lançar o material do meu acervo em vinil. Esse é o primeiro de uma série. Muita coisa inédita vem por aí”, avisa Passos.

O lado A do LP é composto pelas faixas “Rock do Diabo”, “Aluga-se”, “Como Vovó Já Dizia (Óculos Escuros)”, “Abre-te Sésamo”, “As Aventuras de Raul Seixas Na Cidade de Thor” e “O Trem das Sete”. Já no lado B estão as faixas “Blue Suede Shoes”, “Ready Teddy”, “Maluco Beleza”, “Al Capone”, “Rock Das ‘Aranha’” e termina com “Sociedade Alternativa”. O disco conta com capa dupla (formato “gatefold”), fotos raras e uma reportagem sobre a carreira de Raul naquele momento, com entrevistas com os músicos que tocaram no show e da ex-companheira do cantor, Kika Seixas.

cardoso

O GLOBO, SEXTA-FEIRA 18 SET. / 2009



Dylan pode trocar discurso do Nobel por show em Estocolmo, diz Academia


 ilustrada

20 nov. / 2016 - Vencedor do Nobel de literatura de 2016, Bob Dylan poderá fazer seu discurso — protocolar para quem recebe a honraria— em um show em Estocolmo, previsto para 2017.

Segundo a Academia Sueca, responsável pela láurea, o poeta e compositor provavelmente agendará uma apresentação na capital do país, a "oportunidade perfeita para apresentar seu discurso". As informações são da revista "Billboard".

Na última quarta (16), Dylan confirmou à instituição que não poderá comparecer à cerimônia do Nobel, que tradicionalmente acontece em 10 de dezembro. Afirmou "ter outros compromissos".

As regras para que o vencedor realize sua conferência são flexíveis, disse Sara Danius, diretora da Academia, a uma rádio sueca. Dylan pode trocar uma leitura por "um vídeo ou qualquer outro formato que preferir", ela ressalta.

A única exigência é que a fala aconteça seis meses depois da cerimônia e mencione o Nobel.

Caso adie sua fala, Dylan não será, no entanto, o primeiro a fazê-lo: outros vencedores se manifestaram meses —e até anos— depois. Como o ex-preso político de Mianmar Aung San Suu Kyi, Nobel da Paz em 1991, que discursou 21 anos depois do anúncio do prêmio.

bdylan

b

Liverpool: Na rota dos mais famosos scousers

 

FUGAS
Liverpool: Na rota dos mais famosos scousers
SOUSA RIBEIRO 16/01/2016 - 03:55
No Dia Internacional dos Beatles, que se celebra este sábado, uma viagem pela memória e pelos lugares ligados à história da banda mais popular do mundo mas também por uma cidade que não se cansa de surpreender e que desde 2004 consta da lista de Património Mundial da UNESCO.

  pennylane

In Penny Lane there is a barber showing photographs
Of every head he’s had the pleasure to know
And all the people that come and go
Stop and say hello

16 jan. / 2016 - George Martin, produtor dos Beatles, terá admitido que, a par de Strawberry Fields Forever, Penny Lane foi o melhor single (entre aqueles que produziu) alguma vez editado pela banda de Liverpool, num total de mais de duas centenas de letras escritas pela dupla Paul McCartney-John Lennon, um número astronómico quando comparado com as escassas referências à cidade que viu nascer os Fab Four. Uma e outra, Strawberry Fields Forever e Penny Lane, têm em comum essa singularidade, da mesma forma que constituem a expressão máxima de uma nostalgia que evoca lugares e um tempo perdido no tempo — logo gozam de uma existência.

Strawberry Field era um orfanato do Exército de Salvação (uma réplica do antigo portão vermelho em ferro ladeado por duas colunas onde os seguidores da Beatlemania gostam de gravar os seus nomes assinala o lugar) situado próximo da Menlove Avenue e onde John Lennon, tendo vivido a sua infância a curta distância, em Mendips, costumava acorrer para brincar com outras crianças. A letra foi escrita quando o cantor estava ocupado com a sua participação no filme How I Won The War e, alegadamente, foi inspirada num sentimento de saudade da casa que ainda hoje se pode visitar, um espaço humilde mas acolhedor tão bem preservado pela tia Mary “Mimi” Smith, encarregada da educação do pequeno a partir do momento em que a vida dos pais se tornou demasiado turbulenta (o pai, Alfred, desertou durante a II Guerra Mundial e a mãe, Júlia, viveu uma relação com outro homem durante o casamento antes de ser atropelada mortalmente por um polícia embriagado).

São muitos — entre um total de 600 mil por ano que visitam Liverpool à procura dos lugares ligados à história dos Beatles — aqueles que se posicionam, cruzando as pernas para imitarem uma pose de John Lennon, em frente à casa de Mendips, não muito distante daquela, bem mais pobre, no número 20 da Forthlin Road, para onde Paul McCartney se mudou quando tinha 13 anos, um ano antes de a mãe, vítima de embolismo, ter falecido (um facto em comum na vida dos dois que terá conduzido a um fortalecimento da relação).

Alguns peregrinos lançam olhares curiosos, perscrutando aqui e ali os prédios baixos e as árvores que se recortam contra o céu cinzento, ao longo da Penny Lane, buscando alimento para as suas fantasias que, ao fim de algum tempo, mal descobrem que esses lugares (a popular barbearia descrita, Bioletti’s, é actualmente um salão de cabeleireiro unissexo rebaptizado Tony Slavin) e pessoas não são mais do que uma memória, resvalam para o mundo da frustração que por vezes dá lugar a comportamentos reprováveis — não raramente, as placas com a toponímia da rua (que é também um bairro e era, na década de 1960, um importante terminal de autocarros servindo diversas rotas) são roubadas ou danificadas com mensagens dos fãs dos Beatles.

Não fosse esse passado tão intimamente ligado ao percurso dos Beatles, a própria toponímia da rua mítica não seria, ela própria, mais do que uma memória, de tal forma as autoridades locais têm procurado esquecer uma época associada ao tráfico de escravos — James Penny foi, durante o século XVIII, um dos mais importantes comerciantes e um proeminente anti-abolicionista.

A importância dos autocarros

Mas, mal a Penny Lane se lança nos braços da Church Road, uma construção em obras destaca-se numa espécie de rotunda, como uma ilha, rodeada de grades — existem planos para ser transformada num centro de memória do grupo de Liverpool depois de ter acolhido, durante alguns anos e até ser votada ao abandono, o restaurante Sgt. Pepper’s Bistro, qual chamariz para atrair as multidões de fãs que todos os dias deambulam por este subúrbio da cidade.

Behind the shelter in the middle of the roundabout
A pretty nurse is selling popes from a tray
And though she feels as she’s in a play
She is anyway

Neste antigo abrigo, por essa altura decorado com colunas pintadas de branco, tanto John Lennon como Paul McCartney eram obrigados a mudar de autocarro nas suas frequentes deslocações entre a casa de um ou de outro ou o lugar onde simplesmente se encontravam, conforme reconheceu este último numa entrevista, há já alguns anos, à revista Clash.

Vários autocarros ligam Penny Lane ao centro de Liverpool e esse é o meio de transporte que utilizo enquanto escuto In My Life, publicado em 1965. E não é por acaso.

There are places I remember
All my life though some have changed
Some forever not for better
Some have gone and some remain
All these places have their moments
With lovers and friends I still can recall
Some are dead and some are living
In my life I’ve loved them all

Emoldurada pela janela, a cidade, na sua rotina diária, vai passando ao meu lado, a uns olhos seguramente menos atentos do que aqueles que John Lennon pousava nas suas ruas, nos seus prédios e nas suas gentes ao longo das suas frequentes viagens entre Penny Lane e o centro. Na verdade, In My Life, a letra original ,descrevia, com mais detalhe, esses percursos do compositor assassinado em 1980 em Nova Iorque:

Penny Lane is one I’m missing
Up Church Rd to the clocktower
In the circle of the abbey
I have seen some happy hours
Past the tramsheds with no trams
On the 5 bus into town
Past the Dutch and St Columbus
To the Dockers Umbrella that they pulled down

As cortinas do céu estão fechadas, vestem-se de um cinzento escurecido e uma chuva miudinha, teimosa, recebe-me na zona comercial da cidade, abraçada por um incessante formigueiro humano carregado com sacos de compras. Para um lado e para o outro, como um polvo, estende-se o ONE, o maior centro comercial de todo o país a céu aberto, com mais de 160 lojas e restaurantes, 14 salas de cinema e um parque (Chavasse) com uma área superior a 20 mil metros quadrados, um projecto que contribuiu decisivamente para impulsionar a economia local — Liverpool apresenta taxas elevadas de desemprego e é muitas vezes apontada como um mau exemplo em Inglaterra.

Em breves minutos, chego à Albert Dock onde, como quase em todo o lado ao longo da minha errância por Liverpool, dificilmente se consegue escapar ao culto de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, impregnando o espírito com um certo sentimento de familiaridade. Por alguma razão, o poeta americano Allen Ginsberg professava, já em 1965, que Liverpool era “o centro da consciência do universo humano” e também não é por acaso que a urbe se orgulha de ser aquela que mais bandas e cantores colocou nos tops de vendas em todo o mundo. A maior parte das vezes por culpa dos Beatles mas alargando-se, em menor escala, a outros como os Echo & The Bunnymen, Orchestral Manoeuvres in the Dark, La’s e Frankie Goes to Hollywood, responsáveis pelo mediático Relax, eternamente presente numa metrópole conhecida pela sua cultura gay.

À minha frente tenho agora o Beatles Story, museu cujas escadas de acesso vão engolindo dezenas de peregrinos da Beatlemania; mal a luz do dia se esvai, os bares da Albert Dock enchem-se de vida; mais tarde, quando a noite avança, as ruas em volta do Cavern Club, onde a banda actuou mais de 300 vezes, fervilham. Num e noutro lado, ninguém tem medo de expressar as suas emoções. Parece uma outra Inglaterra. Mas revestida com um carácter celta.

Imagine all the people
Living for today...

Um passado negro, um futuro brilhante

O sol doura com os seus raios alguns edifícios e reflecte-se, como uma língua, nas águas. São, algumas delas, construções magnificentes e testemunhas privilegiadas de um passado não menos grandioso.

Durante os séculos XVIII e XIX, Liverpool transformou-se na verdadeira porta da expansão do Império britânico e o seu porto adquiriu uma importância sem paralelo (por vezes superou Londres), conquistando o estatuto de centro do comércio marítimo mundial. Se, no início, os navios apenas tinham como destino a Irlanda e a Escócia, em meados do século XVI o negócio alargava-se já a Portugal, Espanha e França; finalmente, em pleno século XVIII, o trâfego ganhou outra dimensão com a conquista dos portos da América do Norte e da África Ocidental. A estes últimos, chegavam os navios carregados de artigos de algodão e de materiais, logo trocados por escravos comercializados nas Índias Ocidentais e na Virginia, importantes mercados de abastecimento de rum, açúcar, tabaco e algodão em bruto.

Mas, juntamente com as mercadorias, viajavam também, carregando sonhos, milhões de europeus dos países do norte, irlandeses (a família de Paul McCartney, vivendo sempre com grandes dificuldades, tem ascendência irlandesa) e escoceses que rapidamente transmitiram à cidade a sua influência celta, ainda hoje tão impregnada entre uma população que ascende a quase meio milhão de habitantes. Claramente, a comunidade irlandesa é a mais importante: milhões deles desembarcaram em Liverpool durante a grande fome, entre 1845 e 1849, produzindo o desenvolvimento de um sub-proletariado urbano em bairros pobres como Toxteth, Speke e Dingle (uma cidade situada na península homónima do condado de Kerry, no centro da Irlanda).

Neste último, na 9 Madryn Street, numa das mais de 400 casas da área conhecida como Welsh Streets (por terem nomes galeses) até 2005 destinadas a serem demolidas (entretanto foi criado um fundo de 14 milhões de libras para serem preservadas), nasceu e viveu durante um curto período da sua vida (uma infância com vários problemas de saúde, incluindo tuberculose) Richard Starkey, o futuro Ringo Starr. Da mesma forma, e embora tendo nascido na 12 Arnold Grove, em Wavertree, George Harisson (também com raízes irlandesas) mudou-se com a sua família para o 25 da Upton Green, em Speke, em 1950, quando tinha apenas sete anos.

A guerra e os blues

Já na primeira metade do século XIX, e pelo menos até 1930, mais de nove milhões de emigrantes — na sua grande maioria ingleses, escoceses e irlandeses mas igualmente suecos, noruegueses e judeus russos — partiram de Liverpool com destino ao Novo Mundo, também eles carregando a ilusão de uma vida que lhes oferecesse um pouco mais do que as provações com que se confrontavam no dia-a-dia.

O próprio Titanic, com uma paragem prevista (cancelada no último minuto) em Liverpool durante o trajecto entre Belfast e Southampton — de onde partiu antes de se afundar a 15 de Abril de 1912 provocando a morte de 1500 pessoas — tem fortes ligações à cidade: a White Star Line, proprietária, entre outros, do navio que colidiu com um icebergue no Oceano Atlântico foi fundada em Liverpool por Thomas Ismay — e nela trabalhou, como dispensário, Harold Hargreaves Harrison, o pai de George Harrison; a sede da companhia era na 30 James Street, em Albion House, onde também se encontrava o escritório de Joseph Bruce Ismay, filho do fundador, presidente da firma na altura e alvo de fortes críticas (foi um dos sobreviventes); finalmente, uma boa parte da tripulação era originária de Liverpool, uma empresa local responsabilizou-se pela organização da orquestra a bordo e mesmo o mítico sino do Titanic foi construído em Merseyside.

Com o início da II Guerra Mundial, a cidade e o seu porto voltaram a adquirir importância, especialmente face ao desembarque de mais um milhão de soldados norte-americanos nas vésperas do Dia D. E com eles, além de armamento, chegavam as mais recentes novidades em discos, os novos ritmos, os blues, dando origem ao rock and roll e oferecendo à cidade a oportunidade de se transformar, 20 anos mais tarde, com o designado Mersey Beat, na rainha do pop britânico, de onde emergiram quatro scousers (assim são denominados os habitantes locais devido ao scouse, um prato típico que é, basicamente, uma versão do estufado irlandês e composto de ingredientes que incluem batatas, cenouras, borrego, cebolas e especiarias).

Liverpool, com uma populaçao maioritariamente branca (mais de 90%), é uma cidade encantadora e produz ainda mais encanto vista do rio Mersey, como se prestasse o seu tributo à água, a quem tanto ficou a dever em mais de oito séculos desde a sua fundação (celebrou 800 anos em 2007 e no ano seguinte foi capital europeia da cultura). Navegando a bordo de um ferry ou simplesmente caminhando ao longo da margem oposta, perscrutam-se, projectando-se contra o céu, as Três Graças que embelezam o Pier Head. São três construçoes magnificentes que prendem todos os olhares, cada uma com o seu estilo, todas elas ricas em ornamentações: o edifício do porto de Liverpool, o Cunard e o Royal Liver, este último com as suas torres que se erguem para a abóbada do mundo e encimados por grandes pássaros em cobre.

Levantadas entre 1907 e 1916, as Três Graças estiveram na iminência de ter a companhia de uma quarta, designada The Cloud e desenhada pelo arquitecto inglês Will Alsop, vencedor do Stirling Prize, o mais prestigiado prémio de arquitectura no Reino Unido, com o projecto desenhado para a Peckham Library, em Londres. Mas a controvérsia face ao receio de descaracterização do espaço — se bem que, à altura da sua construção, o Royal Liver também foi alvo de fortes críticas e hoje é adorado por todos os residentes — e os elevados custos (220 milhões de libras era o orçamento inicial mas rapidamente resultou num aumento em espiral dos custos) de um projecto futurista que deveria acolher um hotel de cinco estrelas, escritórios e um museu conduziram ao seu cancelamento e a uma recolocação na cidade de Toronto.

Como pano de fundo, vista ainda do rio, a cidade antiga, com as silhuetas das suas catedrais. Liverpool é, à excepção de Londres, a única em Inglaterra que se orgulha de ter duas. Uma, a anglicana, neogótica, bem próxima de uma das mais antigas comunidades chinesas estabelecidas na Europa (não perca o elegante arco), é a maior do país e a quinta maior do mundo, o sino central é o terceiro a nível mundial, o campanário, com cem metros de altura, é o mais alto e o mais pesado do mundo e o órgão, com 9765 tubos, é também o maior do mundo operacional. A catedral, situada na Hope Street, é uma obra de Sir Giles Gilbert Scott, conhecido por criar as míticas cabinas telefónicas vermelhas, que teve o seu início em 1904 e apenas foi concluída em 1978.

A outra, metropolitana, professa o culto católico e revela um passado turbulento, marcado por constantes interrupções das obras — o projecto foi confiado a Sir Edwin Lutyens, a primeira pedra foi colocada em Junho de 1933 mas a declaraçãoo de guerra e, já no final desta, o aumento significativo dos custos levaram a diocese (estabelecida em 1850) a abandonar o plano de Lutyens (apenas a cripta é da sua autoria) e a promover um concurso internacional que foi ganho por Frederick Gibberd. Finalmente, a construção deste espaço circular com capacidade para 2300 pessoas teve início em 1962 e prolongou-se por cinco anos, sendo consagrada em Maio de 1967, dez anos antes de receber a visita da rainha e 15 antes de ter acolhido o Papa João Paulo II.

Estranhamente, ou talvez não, a catedral católica foi concebida por um arquitecto protestante e a sua homóloga anglicana por um católico. Mas esta singularidade não é mais do que o resultado da cultura de tolerância que se respira por força da multitude de origens que constitui uma das imagens de marca de uma metrópole onde se falam mais de 60 línguas.

Imagine there’s no countries (…)
And no religion too

Património Mundial da UNESCO desde Julho de 2004, a cidade é ainda mais admirável quando a sua equipa mais representativa joga em Anfield Road: camisolas, calcões e meias vermelhas, fazendo evocar Turning the Town Red, como cantava Elvis Costello, que cresceu em Liverpool. Quando a noite cai, são as jovens, em grupo, muito loiras e maquilhadas, quem assalta as ruas, rumando a um pub ou uma discoteca com uma sede que parece não caber neste mundo. Há mais de 40 anos, eram as suas mães quem tombava em síncope em frente do mais famoso quarteto do mundo.

Chego ao aeroporto, avisto um submarino amarelo e logo depois, já no interior, uma estátua de John Lennon. Os Beatles estão por todo o lado, omnipresentes. Above us, only the sky.

Guia prático

Como ir

A melhor alternativa para viajar entre Lisboa e Liverpool passa pela easyJet, que liga as duas cidades pelo menos duas vezes por semana com tarifas que, dependendo da antecedência com que reserva ou do período em que pretende viajar, rondam os 70 euros (bilhete de ida e volta). A mesma companhia aérea também estabelece ligações entre Faro e Lisboa, enquanto a Ryanair, embora sazonalmente, o faz a partir do Porto. O aeroporto internacional John Lennon (não deixe de reparar no slogan Above us, only the sky, retirado da letra de Imagine), rebaptizado em 2001 (21 anos após a morte do músico inglês), está situado numa das margens do estuário do rio Mersey, a pouco mais de dez quilómetros do centro da cidade.

Os autocarros da Arriva Airlink 80A e 180 (pouco mais de dois euros) ligam o aeroporto à Paradise Street entre as 6h e as 23h e o Airportxpress 500 (cerca de três euros) parte da estação de Lime Street e funciona entre as 5h15 e as 00h15.

O percurso, tanto de uma como da outra, demora cerca de meia hora e há serviços de 20 em 20 minutos. De táxi, espere pagar entre 18 a 20 libras para chegar ao centro de Liverpool. A cidade percorre-se facilmente a pé mas se optar por utilizar transportes públicos o melhor é adquirir o Saveaway Ticket (à venda nas lojas e nos postos dos correios), que permite viajar (depois das 9h30) por aproximadamente cinco euros (as crianças pagam metade) em todos os autocarros, comboios e ferries que fazem o trajecto ao longo de Merseyside.

Quando Ir

Em teoria, a melhor época para viajar por Inglaterra é durante os meses de Verão, especialmente entre Julho e Agosto, período em que se regista também uma maior afluência de turistas. Na altura da Páscoa, Maio, Setembro e Outubro são outras hipóteses a considerar — na prática, tudo pode acontecer: chuva no Verão, sol no Inverno.

Onde comer

Os carnívoros sentir-se-ão verdadeiramente gratos com uma visita ao Meet Argentinean, na 2 Brunswick Street, o primeiro restaurante argentino da cidade e um autêntico (e elegante) tributo à carne grelhada servida em doses industriais. Outro lugar que vale a pena experimentar, pela atmosfera e gastronomia, é o Alma de Cuba, na St. Peter’s Church (um espaço que abrigava uma antiga igreja polaca), onde a carne de porco é rainha, de preferência após um mojito servido no bar do restaurante.

Para algo mais em conta — mas com qualidade — recomenda-se uma visita ao Everyman Bistro, na 13 Hope Street, com pratos principais a menos de dez libras e um lugar muito frequentado por actores e criativos do Everyman Theatre (o café-restaurante está situado nos rés-do-chão deste espaço cultural).

Entre os bares, o Philharmonic (apenas Phil para os mais íntimos e assim designado devido à sua proximidade da Philharmonic Hall), na Hope Street, 36, é imperdível e justamente considerado um dos mais bonitos de Inglaterra, com o seu interior composto de vitrais, ferro forjado e azulejos — e a casa de banho dos homens, de mármore em tons rosados, digna de ser apreciada.

Onde dormir

Para quem deseja, durante uma estada em Liverpool, prestar tributo aos Beatles, a visita ficará incompleta se não dormir pelo menos uma noite do luxuoso Hard Days Night Hotel, localizado na Central Buildingis, na North John Street. Equipado com todos os luxos, o hotel tem 110 quartos (um duplo custa entre 110 e 160 libras) decorados com fotografias alusivas à banda, bem como suítes (cerca de 750 libras) baptizadas com os nomes de Paul McCartney e John Lennon (esta última com um piano imaculadamente branco, ao estilo de Imagine). Durante a semana (entre domingo e quinta-feira), o Hard Days Night Hotel proporciona preços mais atractivos (150 libras) que incluem pequeno-almoço e um jantar exclusivo no restaurante Blakes (em homenagem a Peter Blake, o padrinho da arte pop britânica e criador, em conjunto com a sua mulher, Jann Haworth, da capa icónica do álbum Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band).

Por uma tarifa mais em conta (75 libras durante a semana e 140 ao fim de semana), pode ficar alojado no Beatles Themed Apartment, na Exchange Street East, em Merseyside, L2 3PH, uma alternativa que combina comodidade, elegância (muitos dos adornos são constituídos por fotografias únicas do grupo de Liverpool que retratam o seu percurso desde o anonimato até à fama) e uma óptima localização, mesmo no coração da cidade.

Finalmente, para orçamentos mais reduzidos, também não faltam opções, entre elas o Liverpool YHA, na Tabley Street, 25, com dormitórios entre as 20 e as 25 libras (incluindo pequeno-almoço).

A visitar

Liverpool tem um conjunto de galerias de arte verdadeiramente imperdíveis e abrangentes: pinturas do Renascimento europeu, obras-primas de Rubens, Poussin, Rembrandt, Turner e Stubbs, importantes trabalhos anteriores à época de Raphael, de Rossetti e Milais, bem como impressionistas, de Monet e Degas. O The Walker Art Gallery, na William Brown Street, bem próxima da Lime Street, abriga uma importante colecção de quadros ingleses, arte decorativa e esculturas que vão desde o século XIII até aos nossos dias. Originalmente pensada para a população da cidade, acolhe, no presente, a mostra mais completa de arte histórica do país logo a seguir a Londres. Como a colecção de arte contemporânea não pára de crescer, a galeria tem sempre algo de novo para oferecer, ao longo do ano, aos seus visitantes — e tão pouco esquece os mais pequenos (até aos oito anos), sob o lema Big Art for Little Artists: há contadores de histórias e as crianças podem inclusive vestir-se como alguns dos personagens de quadros em exibição.

Conhecida pelas suas pinturas vitorianas e pelos seus trajes, a Sudley House, na Mossley Hill Road, em Aigburth (apenas 20 minutos de comboio ou de autocarro do centro da cidade), é outro dos espaços a visitar. Situada numa antiga casa do mercador vitoriano George Holt, tem obras de Landseer, Turner, Holman-Hunt, Burne-Jones, Gainsborough, Leighton e Romney, entre outros. É também um lugar agradável para as crianças, contemplando quartos que são retratos vivos da infância (muitos brinquedos) entre outros aposentos que proporcionam uma perspectiva de como era a vida de uma família no período vitoriano.

Finalmente, a Lady Lever, na Port Sunlight Village, em Wirral, com uma colecção de pintores famosos, esculturas inglesas, mobiliário do século XVIII, porcelanas chinesas — tudo graças a William Hesketh Lever, o primeiro lorde Leverhulme, fundador da galeria e um homem que sempre acreditou que a arte poderia ser uma inspiração para todos. Daí, talvez, a existência de um espaço designado The Activity Rooms, onde os mais jovens podem inspirar-se com as obras, ler histórias infantis em conjunto ou criar mesmo um espectáculo de marionetas.

A entrada é gratuita nas três galerias, bem como noutros fantásticos museus de Liverpool. Vale pena errar calmamente pelo Tate Liverpool, o Merseyside Maritime Museum e o extraordinário International Slavery Museum, todos em Albert Dock, pelo World Museum Liverpool, em William Brown Street, pelo Liverpool War Museum, em Rumford Street, e admirar o St. George’s Hall, também em William Brown Street e seguramente um dos mais impressionantes edifícios da cidade.

Informações

Os cidadãos portugueses apenas necessitam de um documento de identificação (passaporte, bilhete de identidade ou cartão der cidadão) para visitar o Reino Unido. Uma libra esterlina corresponde a (mais ou menos) 1,33 euros. Um adaptador de corrente eléctrica é, seguramente, um dos objectos mais úteis que pode transportar na mala.

 

(PDFs) sobre Hélio Oiticica e a cena contracultural-musical-fílmica carioca dos anos 1960/70 (destacando o grupo Módulo 1000)

Imperdíveis
(PDFs) sobre Hélio Oiticica e a cena contracultural-musical-fílmica carioca dos anos 1960/70

 

ninho

Linguagem com relevo no plano artístico

"Em Nova York levaram Abby Rockfeller para olhar Os Ninhos. Aí quando abriram, tinham um casal trepando lá dentro. Esse foi o máximo que eu já vi em participação, e foi um escândalo! Ninguém sabia o que fazer (...)

"Loft aqui está ficando legal: construí seis Ninhos para viver: também um troço que têm dois níveis, e por onde se entra pra o de baixo, por cima; Mário Pedrosa ficou louco, pois quando queria falar ao telefone tinha que subir tal plataforma". (Hélio Oiticica).

Hélio Oiticica em Nova York (1970-1978)
Experiência em campo ampliado
Dissertação de Mestrado apresentada e escrita por Marcos Bonisson, 2013

 

modulomil

Linguagem acessível 

- Não fale com paredes: contracultura e psicodelia no Brasil / Igor. Fernandes Pinehiro  ... Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense,.

EletroAcordes (RS) dominam as mídias

 

Eles chamam a si mesmos de EletroAcordes, um trio hard do Sul

Ligue a tomada! Aumente o som e redobre à atenção. O trio EletroAcordes quer levar aos seus ouvidos, uma miríade do autêntico rock'n'rol! Ao vivo, permita-se envolver nas canções deste trio, situado em Porto Alegre, e que atua há mais de 4 anos nos palcos gaúchos. EletroAcordes transcendem pela música eclética – sem rótulos, receitas prontas ou jargões pré-fabricados – plugados nas origens do blues, nas vertentes do jazz, e psicodélico ou pop dos nos 70. Respire Fundo e enjoy!

 

eletroacordes

FABRÍCIO COSTA (vocal/guitarra)

RODRIGO VIZZOTTO (Vocal/baixo/teclado)

MAURO REIS (Bateria)

________________________

Depois de alguns ajustes, já está na web o novo clip da música "Quem foi que disse". Confira:

 

 

Se você quiser baixar os sons do trio EletroAcordes, vá em www.eletroacordes.com.br/respirefundo. É de graça e som vale a pena ouvir. Desde já, eles agradecem pela oportunidade e fazem votos de muita notícia e música em 2015.

Articles View Hits
5976152

We have 527 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro