MÓDULO 1000 E SUA OBRA-CABEÇA (2010)

 MODULO1000CD Discos   baixados... por Mário Pazcheco

   1970 - Módulo 1000 - Não Fale Com Paredes

   No princípio, a missa era cantada em latim -  eletricamente séculos depois,  a parafernália progressiva  avançou de seis para doze cordas mais   cabo elétrico e   autofalante chegava-se à lua. Para dominar os céus criaram o fuzz, uma caixinha de efeito que estende a vibração e  coloca o guitarrista no Panteão dos Deuses – o fuzz permite viajar por conta própria que é melhor do que um bilhete cortesia das viagens alheias.

   Se nos discos tropicalistas de Caetano e Gil, os baianos contavam com as palavras dos Irmãos Campos, e arranjos de Rogério Duprat e guitarristas com os nomes de Lanny Gordin e Sérgio Dias, o nascente rock progressivo brasileiro valia-se do trabalho dos técnicos de estúdio que aprenderam o  ofício com discos dos Beatles.

   A maioria dos discos de rock nacional foram registrados sob a paranóia exercida pelo regime das fardas. Cruelmente, o Jornal de Música e Som se referiu a Manito (ex-Incrivéis), um organista experiente “voando atrás de  Keith Emerson e caindo a meio caminho sem fôlego”. Muitos tecladistas poderiam voar atrás de Keith Emerson mas o rock daqui corria mesmo era atrás de Jon Lord – uma pena que estes discos não tinham a mesma preocupação e distribuição das grandes gravadoras – era como montar um carro nacional no fundo de garagem.

   Hoje! Eu vejo como estas resenhas foram infelizes e perseguiram os músicos como os militares, felizmente não era em todos os setores, o triste é que estas resenhas saiam nas revistas musicais que deveriam dar uma força ao rock nacional, por isto também não gosto do Alice Cooper e do Rick Wakeman.

 

Verbete
modulomil

Módulo 1000 – Grupo carioca de Hard-Blues-Rock surgido em 1969. Formação: Daniel (guitarra), Luís Paulo (órgão), Eduardo (baixo) e Candinho (bateria).

DiscografiaCS, Big Mama/Isto não quer dizer nada (Odeon, 1970; LP, V FIC (participação, Odeon 1970): LP, Não fale com paredes (Top Tape, 1972)
Fonte:  ABZ Rock Brasileiro (Marcelo Dolabela 4ª Edição)

Faixas

01. Turpe Est Sine Crine Caput
Módulo 1000 trabalha livremente e febrilmente naquela música abissal voltada para o outro hemisfério da cabeça, sua nuvem de fuzz lembra em muito, o 13th  Floor Elevators; Módulo 1000 ao lado do Som Nosso de Cada Dia, Som Imaginário, Terço na fase Jorge Amiden ditaram regras e compassos utilizados até hoje.

02. Não Fale Com Paredes
O mais estranho é sua gramática lisérgica: se a faixa de abertura Turpe Est Sine Crine Caput quer dizer ‘é horrível uma cabeça sem cabelo” o que dizer da segunda faixa, Não fale com paredes e sua divisão fonética adulterada? Curta: ‘nãofa’ – ‘lecom’ – ‘pare’ – ‘des’. No segundo movimento, uma surpreendente levada de samba!

03. Espêlho   
Esta balada segue o reflexo orientalista que refletia o mundo contracultural.

04. Lem - Ed – Êcalg
O jogo de espelho está embutido no título (Glacê de mel)

05. Ôlho por Ôlho, Dente por Dente
Um hino hipnoticamente entoado sob o rufar de tambores,  inspirado pelo Cream. Seria um aviso? Quanto maior o pulo, maior a queda?

06. Metrô Mental
Faixa que tem sua estrutura no jazz e o chimbal chamando para o improviso soturno. Filosofia ou novo recado? - Temos que saber onde você quer chegar.  É nesta jam que o contrabaixo fica mais livre.

07. Teclados
O título diz tudo só que o resultado é de bom gosto, uma miniatura

08. Salve-se Quem Puder
Uma suspeita dose de adrenalina!

09. Animália
A nona faixa, a última do lado B cuidadosamente harmonisa seu fim com o início do lado A, destaca-se uma guitarra estridente que lembra And your bird can sing... Voltemos para o Lado A...

Retranca Pop
   Série Vanguardasc10052 - Vários

   É o seguinte: neste disco, a Odeon mistura gravações antigas de discos de rock brasileiro do começo dos anos 70. O que é, aliás, muito oportuno: o som da Equipe Mercado, Módulo 1000, Tribo e Som Imaginário é sempre criativo e muito mais próximo do chamado “progressivo” do que o rock que se faz aqui atualmente, quando a década já está chegando ao meio. As pesquisas musicais, harmônicas e rítmicas desses quatro conjuntos servem de lição para os rockeiros de agora. É uma pena que, desses, só o Som Imaginário tenha sobrevivido (e sempre na vanguarda) ao longo dos anos. Fonte: Revista Pop (1975)

   Rock decaptado - 1970, acabaram de gravar o disco Não fale com paredes - com faixas em latim e títulos e letras pronunciadas ao contrário, drible da vaca na Censura do regime? A banda vivia agora novo conflito com o diretor musical da gravadora e, surgiu uma chance de promover o disco: aparecer no programa 'Flávio Cavalcanti'. "Vão lá, será uma boa promoção para o disco". Os quatro músicos cabeludos do Módulo 1000 vestiram suas melhores roupas, dessa vez Candinho não usou as sandálias de couro. Entre os cabeludos, o guitarrista Daniel Cardona cortou o cabelo, ostentando um black power e entre os fios habitava um pequeno roedor, um hamster, tal aparato não ajudou e nem aliviou a barra. No backstage, os músicos nem desconfiavam o que testemunhariam. No ar, o tradicional rufar de tambores e a voz em off do radialista.    Algumas breves palavras de condenação foram suficientes para a impiedosa sentença do apresentador que levou o disco Não fale com paredes à guilhotina. Flávio Cavalcanti que havia dado o prêmio de pior cantor do ano a Serguei agora partia em pedaços o disco do Módulo 1000. Quatro décadas depois, a traumatizante experiência, não foi totalmente deglutida pelo baixista Eduardo Leal Neto que apesar da serenidade da idade ainda percebe-se o espanto da hora.

 

1971 modulo1000

Foto: Módulo 1000. O álbum que o grupo gravou em 1970, o psicodélico Não fale com paredes, foi rejeitado pela gravadora na época, mas tornou-se, posteriormente, objeto no culto no exterior - Osmar Gallo

 

 

 

Articles View Hits
7705157

We have 737 guests and no members online

Download Full Premium themes - Chech Here

София Дървен материал цени

Online bookmaker Romenia bet365.ro